22 de junho de 2005

Dicionário

Embaste. Forma do verbo transitivo embastar. Segurar com bastas. Acolchoar. Basta. Cada um dos pontos que atravessam o colchão para reterem o enchimento. Do colchão. Pequena peça de pano que remata esses pontos. Do colchão. Prega de saia e só de saia, mais prega nenhuma. Barra de vestido, diferente das barras dos portos de Lisboa e de Roterdão. Interjeição. Chega! Não mais! Não usado por políticos, excepto em relação a aumentos salariais para a função pública e para o sector da construção civil. Termo recentemente ouvido ao engenheiro Van Zeller e ao psicólogo de renome internacional Kumba Ialá, de férias no arquipélago dos Bijagós.

Embeste. Forma do verbo embestar. O mesmo que bestificar, completamente diferente de beatificar. Verbo transitivo. Tornar como besta. Tornar estúpido. Brutificar. Verbo reflexo. Bestializar-se. Embrutecer-se. Aparvoar-se. Sem contributo de especialistas, de tratados ou de manuais. Autodidacta. Estado natural de muita coisa e de muita gente, mesmo exibindo diplomas universitários, ostentando pesados fios de ouro ao pescoço e réplicas perfeitas de relógios de bolso na algibeira das calças de ganga à venda na feira de Carcavelos e de Custóias.

Embiste. Inexistente. Possível grafia incorrecta de imbeste, derivado de investe. Termo antiquado. Idade da pedra. Margens do Douro. Ambas, norte e sul. Aplicado aos toiros bravos nas lides da praça da Moita. Também se usa em relação aos agricultores que prescindem do tratamento por empresários e que são beneficiados pelos fundos da política agrícola comum. Servem para a aquisição de automóveis e contratação do serviço de alfaias provenientes das ruínas do leste europeu e que se apresentem com bom aspecto ou indícios de pouco uso. É improvável que o presidente da república o venha a pronunciar. Ainda mesmo que visite o distrito de Bragança, se passeie pelas noites quentes de Verão e ouça o desabafo de fiéis esposas encornadas sem apelo nem agravo pelo ancinho dos maridos.

Emboste. Forma do verbo transitivo embostar. Sujar com bosta. Cobrir de bosta. Emporcalhar. Encher de merda. Capacidade de fazer merda com tudo o que se tiver à mão, sejam medidas de combate à inflação, rigorosos cálculos de défices com aproximação à décima milésima ou apitos de plástico fabricados na indústria de Leiria. Bosta. Excremento de gado bovino. Bostar. Sujar com bosta. Expelir bosta. Cagar de bois e vacas, em pleno campo, na lezíria. Dizer sandices. Parvoíves, ditos tolos ou merdas com estas. E muitas outras, em público ou privado, seja qual for o dia da semana e a estação do ano. A de S. Bento fica de fora para serviço do Dr. Rio e das obras do Metro do Porto.

Embuste. Substantivo masculino. Mentira artificiosa. Ardil. Patranha. Logro. Manha. Astúcia. Estratagema. Estratégia muito vulgar entre vendedores de banha da cobra, automóveis em segunda mão e pentes para carecas em tartaruga que não tenha sido montada - no bom sentido, norte-sul - pelo venerando Dr. Mário Soares. Operação comercial realizada por banco sem vocação que, por esse facto, a comete a organização especializada e independente cujo capital social detém a cem por cento. Termo utilizado em tom coloquial, mesmo em actos públicos, para salientar que a crise, as sardinhas e os pimentos dos santos populares devem ser pagos por quem já esteja habituado. Ferramenta para assegurar a rentabilidade e forçar o crescimento moderado dos lucros a taxas não inferiores a 35 por cento. E adquirir o mangerico!

3 Comentários:

Às 12:21 da tarde , Blogger marujo disse...

o vocábulo embuste foi utilizado, recentemente, pelo senhor Presidente da República, Jorge Sampaio, referindo-se ao crédito bancário para despesas pessoais.

 
Às 10:29 da tarde , Blogger rajodoas disse...

Curiosamente a expressão "embuste" usada ontem pelo PR nos anúncios dos bancos para aliciarem clientes na compra de automóvel e outros bens foi motivo de uma crónica dum senhor muito entendido do Rádio Clube Português que passou um atestado de ignorante a Jorge Sampaio porque segundo ele nem em Portugal nem em nenhuma parte do Mundo a Banca serve para apoiar iniciativas empresariais no chamado capital de risco. E continuando a defender acerrimamente
os banqueiros referiu que se algum banco falisse era algo terrível que acontecia.É por estas e por outras que este País não passa da cepa torta.

 
Às 8:41 da manhã , Blogger manueladlramos disse...

;-)

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial