20 de junho de 2005

Grande prémio

Não vale a pena continuar a chover no molhado e repetir que esta estranha espécie de país me desencanta. Ainda por cima quando há muito deixei para trás as minhas leituras surrealistas e a minha grande compreensão para com o movimento e a sua permanente rebeldia. Mesmo que continue a achar, por mim, que nunca vi desenhos à pena como os que vão subscritos por Artur do Cruzeiro Seixas.

Mas por mais que pense ou tente fazê-lo, por mais que converse com os conhecidos e os amigos e por mais que leia António Barreto e Vasco Pulido Valente, não consigo descortinar o serviço público que a RTP apregoa. Os subordinados de Almerindo Marques - mais um reformado a exercer um cargo que lhe complemente a pensão e ajude à conveniente educação dos netos - entendem que serviço público, em primeiro lugar, é futebol. Seja qual for a hora, o dia da semana, o escalão ou os intervenientes. Pode ser um sub-20 qualquer, jogado a feijões, na Somália ou no Cambodja. Para a RTP é serviço público, tem direito a enviado especial e a transmissão directa. Mesmo em estúdio o enciclopédico Gabriel Alves há-de pronunciar-se sobre a qualidade do relvado, a habilidade inata do número sete e a falta de músculo dos defesas centrais para o confronto aéreo.

Ainda ontem, no telejornal da noite, a RTP alinhou, em segundo plano, temas nacionais absolutamente irrelevantes que nem sequer importavam ao grupo Espírito Santo e muito menos a este, mesmo sem grupo nenhum. Um incêndio qualquer, com labaredas a atingir a altura de um prédio de cinco andares. Uma inoportuna greve de professores que poderia prejudicar a realização dos exames previstos para a canalha das escolas. Os riscos que decorriam do calor excessivo que se tem feito sentir. A descoberta, algures em Caminha, de uma lancha rápida carregada com mais de meia arroba de uma droga qualquer.

A RTP abriu o jornal com o acontecimento extraordinário do Grande Prémio dos EUA ter um português colocado na terceira posição, entre seis concorrentes. Quando, recorde-se, até hoje apenas o visconde de Nicha Cabral e o comerciante de automóveis Pedro Lami tinham conseguido partir-se todos e deixado as provas autenticamente feitos em bocados. Tal feito justificou uma segunda chamada ao directo com a prova a decorrer, uma chamada à bandeirada de xadrez final, mais uma à cerimónia do pódio onde o coitado do português ficou sozinho a espalhar champanhe e ainda uma outra a uma conferência de imprensa a que os dois pilotos da Ferrari - que ocuparam as duas primeiras posições - não puderam furtar-se por obrigações contratuais. Curiosidade terá sido o facto de nunca ter havido grande prémio em que apenas tivessem largado seis automóveis. O que envergonhou toda a gente, começando pelos que faltaram e que produziram um comunicado conjunto a desculpar-se e acabando pelos que venceram, mesmo sem querer. E que se furtaram às festividades da vitória.

Tal é, afinal, o umbigo português: magnético, irresistível e prenhe. Que dá muito mais importância à construção de estádios do que à edificação de hospitais e à comparticipação nos medicamentos. Mesmo quando as listas de espera para as cirurgias não preocupam o ministro e vão sendo reduzidas pelos que morrem da doença ou da espera pela cura. Ainda mesmo que, por precaução, esperem sentados.

1 Comentários:

Às 9:35 da manhã , Blogger rajodoas disse...

Meu caro amigo Luis. Curiosamente também referenciei sob o titulo "Pensar pequenino do nosso jornalismo Luso", este tratamento noticioso pela estação publico de televisão. Isto é para nós melhor compreendermos a razão
por estas escolhas selectivas dos conselhos de administração destas EP
economicamente falidas, mas das quais eles se servem para se confortarem economicamente. Com um abraço do Raul

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial