20 de novembro de 2013

Lua cheia de novembro

A rua! A noite escura, escura e fria. Um frio quieto e seco, sem nenhuma brisa nem folhas caídas esvoaçando pelo chão do outono. O vento ausente, uma visibilidade extensa, para além de tudo. Um céu sem nuvens, nem cirrus altos. Só um veludo macio e negro, uma abóbada completa, de oriente a ocidente. Um brilho no meio, o esplendor da lua cheia de novembro, parecendo perto, como se batesse à porta e esperasse que alguém viesse abrir.


Os teus cabelos curtos pousados sobre o horizonte próximo, escorrendo lentamente por entre as cores de outono que me enchem as mãos e o verde fresco que habita as margens das lagoas. Passam lentos, como se flutuassem no vácuo das experiências da física e aí ficassem, à espera que março os faça crescer-te pelos ombros, uma leve ondulação nas pontas, sorrindo à primavera.


A minha mão com todos os dedos esticados, o braço estendido, uma serena ansiedade circulando-me nas veias, à espera que a tua vença a distância a que nos aproximámos, entrelacemos os dedos e a ansiedade se aquiete. Seja um confortável calor morno a aconchegar-me o peito e as ideias sem rumo, um barco frágil entregue à incerteza de um mar cavado, a barra por vencer.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial