6 de outubro de 2013

A propósito de uma publicação aí em baixo

Depois de muito tempo e fortes reservas – e de mais de 2.000 amizades de que, pessoalmente, conheço poucas! – rendo-me hoje, sem reticências e publicamente, ao Facebook, ao senhor Zuckerberg e à bolsa de valores de Nova Iorque. Um amigo virtual veio a minha casa e, desinteressadamente, ofereceu-me mais e melhores coisas do que fez o Dr. Menezes até ao final da semana passada, nos folhetos com que foi atafulhando as caixas de correio dos portuenses que o mandaram às malvas.

Promete-me boa saúde e bem estar e propõe-se explicar-me o que devo fazer e como. Ao mesmo tempo que me assegura ter solução para o meu problema, antes mesmo de o conhecer, como se fosse ministro, ajudante ou bruxo. Consequências da virtualidade absoluta, está visto porque, como o governo, este amigo desconhece por inteiro o país ideal em que ainda me mantenho vivo, mais graças ao Espírito Santo do que propriamente ao ministério inteiro.


Boa saúde é coisa que não me falta, nem a mim nem aos portugueses em geral. Ministro atrás de ministro têm-nos oferecido mais e melhores cuidados, aumentando-nos as taxas moderadoras, reduzindo-nos as comparticipações nos medicamentos e deixando-nos apodrecer nas filas de espera para as operações aos joanetes e à queda do cabelo. O bem estar dos cidadãos é coisa com que o país e o ex-ministro Relvas perdem o sono e que mantêm sob rigoroso controlo. À custa do trabalho competente e bem remunerado de consultores com longo currículo, como o Dr. Catroga, e do uso de meios sofisticados como o computador Magalhães e os submarinos de estimação em que o irrevogável ministro Portas se desloca entre a Trafaria e o Cais do Sodré. Os “rankings” situam-nos entre os melhores, só ultrapassados por Rafael Nadal, e mesmo este apenas no ténis jogado com a mão esquerda.


Obrigado amigo, muito obrigado do fundo do coração, com “bypass” e tudo, mas não quero ser meu patrão. Nem passado, nem presente, nem futuro. Já fui, sou e continuarei a ser patrão de muita gente pouco recomendável, que não contratei, sempre à revelia. Nunca ninguém me perguntou quanto e para quê estava disposto a pagar, e a quem. Sempre abusivamente me foram extorquindo, e fazem-no cada vez mais, sem palavras e pela calada da noite. Se os apanho, tenho a caçadeira carregada e a jeito, deixo-lhes os chifres embolados para uma corrida à portuguesa, na praça do Campo Pequeno. Aí é que talvez venha a ter um problema e lhe peça ajuda, para me tirar do xadrez. Para poder andar por aí, sem ninguém saber de mim, como o Dr. Oliveira e Costa, daquele banco onde toda a gente ganhou dinheiro sem nunca lá ter investido nada em acções e sem se lembrar de nada!

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial