1 de outubro de 2015

Pois, aqui estou eu

Pois, aqui estou eu tal como resultei de todos os invernos, sozinho, sentado ao canto de um café deserto, a companhia de um jornal aberto sobre a mesa e de uma chávena, o olhar vazio perdido no nevoeiro breve que atravessa a praça, todo o outubro pela frente. Dói-me toda a distância inútil dos meus dias, todos os afectos espalhados pelas ruas, na procura ansiosa de um gesto carinhoso, todas as esperanças que, como sonhos, sempre moraram no tom esverdeado e fundo dos meus olhos tristes. Por ironia, também em outubro houve um sol de estio varrendo os terrenos já ceifados dos trigais, o grão recolhido das eiras acautelando o efeito das chuvas de outono, o saltinho inquieto dos pardais procurando uma migalha.


Na torre da igreja restava só o ninho desabitado das cegonhas, ao abandono, já aguardando pelo ano que há-de vir. Entretanto já as crias tinham adquirido asas e destino, escapando-se do frio antes que fosse tarde e o calor lhes ficasse a maior distância do que o voo. No interior do templo a altura desmedida do tecto trazia ao ambiente a frescura das manhãs de primavera e reduzia-te àquela pequena dimensão, isolada e só, em que te perdes, o olhar inquieto desenhando o trajecto irregular do voo nervoso das andorinhas. Sem palavras e sem gestos, o abraço apertado em que nos unimos, o coração que te senti bater a um ritmo sereno e certo, duas lágrimas salgadas que te desceram pela face e que morreram no silêncio da ponta dos meus dedos. A mão e o braço que te pousei sobre o ombro, mais do que o conforto e o carinho, certeza do apoio singelo que te dava.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial