24 de março de 2013

O roubo ainda salva o euro


Aparentemente o assalto e o roubo decretado sobre os depósitos bancários de Chipe ainda salvam, por uma vez, a impropriamente chamada moeda única e a ditadura económica e financeira da União Europeia. Ao roubo literal, para melhor enganar a iliteracia que grassa do Cabo da Roca aos Montes Urais, decidiu chamar-se taxa. Numa situação perfeitamente idêntica à dos pilha-galinhas, quando os havia, que não roubavam a capoeira. Com o conselho especializado dos assessores e do António Borges, simplesmente taxavam-na!

A lista vai-se alongando: Irlanda, Grécia, Portugal, Itália, Espanha, Chipre. Fora aqueles que já viajam enjoados, sem estarem grávidos e sem suportarem a amplitude das vagas, e que farão a lista ir-se alongando mais, até à derrocada. O euro tem os dias contados, a União Europeia também. Pena é que tenham que ser as gerações futuras, espoliadas de tudo, a ter de regatar a esperança e o futuro. Com sangue, suor e lágrimas!

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial