21 de maio de 2013

O Conselho de Estado


O Sr. Silva, com morada permanente em Belém e de verão numa casita rural e modesta, herdada da família, na aldeia da Coelha, reuniu ontem ao fim da tarde o Conselho de Estado. É estranho que o tenha feito, ele, de que o país bem conhece a infalibilidade papal: nunca se engana e raramente tem dúvidas. Por mim não sei as funções e desconheço de todo a utilidade daquele órgão  composto por membros não eleitos, que lhe pertencem em consequência dos cargos que desempenharam ou que desempenham. Fica-me apenas a certeza de ser profundamente machista, composto por 20 membros dos quais apenas um é do sexo feminino. E, tanto quanto sei, mesmo esse elemento é permanentemente incapaz para o trabalho e, como tal, se encontra aposentado depois de uma longa e árdua carreira profissional, terminada aos 42 anos de idade. Seguramente com grande pesar seu porque muito gostaria de continuar a ser útil à coletividade, trabalhando.



Hoje fui ao site oficial do Sr. Silva à procura das importantes conclusões paridas por tão distinta assembleia. Em termos de informação ninguém dissera nada e apenas se vira sair o Dr Soares mais cedo, por ter em casa a sopa do jantar a arrefecer e os comprimidos para a insónia à espera. A única coisa que disse foi que não dizia nada, mas recorda-se ainda a sua forte motivação, enquanto governante a que a história não fará grandes referências, quando não prescindia da sua sesta diária, nem no hemiciclo de São Bento. E deparei com um comunicado oficial, de cinco pontos, em que se discute o sexo dos anjos e a independência do Brasil, depois de Cabral ali ter aportado por engano e aproveitado para uns dias de praia.

Importa salientar desde logo a ordem de trabalhos: “Perspetivas da Economia Portuguesa no Pós-Troika, no quadro de uma União Económica e Monetária efetiva e aprofundada”. Por ela ficamos a saber que Portugal tem uma economia, mesmo para além do Álvaro, e que haverá uma época pós-Troika, mesmo que se duvide de ambas. E que, para a economia, o conselho meditou e refletiu, com o somatório da sabedoria de todos os seus membros, sobre as respetivas perspetivas no quadro de uma União Europeia e Monetária que todos eles pensam que continuará a existir, mesmo depois do dilúvio. E a existir de uma forma efetiva – não deve ser de faz de conta! – e aprofundada – se calhar nas profundas dos infernos!

Mais, o conselho entende que essa tal união deve criar condições para combater, com êxito, o flagelo do desemprego e reconquistar a confiança dos cidadãos, considerando sempre o “adequado equilíbrio entre disciplina financeira, solidariedade e estímulo à atividade económica”. Nem mais! De onde se pode concluir que o conselho em geral e o Sr. Silva em particular foram substancialmente prejudicados pela hora a que reuniram. Porque, quando foi invocada a infalível inspiração da Senhora de Fátima, já esta tinha encerrado o expediente diário e só reabriria na manhã do dia seguinte. Como é que o Sr Silva se foi enganar nos horários?

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial