19 de maio de 2013

Sábado de maio no roseiral, com algumas exceções


Dos jardins do Palácio de Cristal pode ver-se lá em baixo, no silêncio exausto da última curva, o rio Douro caminhando para a morte. Perdida a arrogância do caminho, alguma ali tão pouco a montante, encolhe-se perante a fúria do oceano que o acolhe e o humilha,  invadindo-o com as águas sujas e mal cheirosas das marés. Serve apenas como fronteira entre o Porto e Gaia, que deixou de existir e apenas persiste na mente doentia dos políticos de recreio que se estendem pelas margens.

As pontes mataram o regime absolutista do rio, sem maiúsculas e de águas correntes. Vai-se a pé de um lado ao outro, barcos imitando não sei o quê passeiam-nos sob elas, se a crise que tudo justifica e tudo permite, tiver ainda deixado o suficiente para o bilhete e a prova de vinhos numa das caves. Os pescadores persistem em espalhar-se pelas bordas, o isco no anzol, a esperança na espera, o saco seco aberto à espera do primeiro troféu.



Vê-se o mar, com uma imensidão que nos leva ao infinito e ao Brasil que fica para além dele. O horizonte que se perde, o voo elegante das gaivotas, mesmo na intranquilidade dos dias de tempestade e das vagas de sete metros. Mas por detrás de nós e da elegância da casa e da pérgola do roseiral, ficam maio, as tardes ensolaradas de sábado, com um ventinho frio e penetrante a atravessar-nos os pulmões, e o próprio roseiral.

E quase parece não haver roseiras, muito menos espinhos. Há quase só cor,  tudo rosas variadas, muitas abertas, muitas em botão, poucas desfolhando-se na despedida. Algumas exceções pelo meio, um pavão intruso, desdenhando do colorido das rosas e gritando a sua presença. Alguns nenúfares brancos, outros cor de rosa, emergindo das águas e do meio das folhas largas. E outras espécies a que apenas os biólogos sabem dar nome.

Em maio, nos jardins do Palácio de Cristal, o roseiral vale a pena!

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial