30 de julho de 2013

A masturbação

Chegou a pensar-se que esta tarde se poderia ir aos touros ao hemiciclo de São Bento. Expetativa frustrada. Os touros, saídos algures da lezíria ribatejana, atravessaram o Tejo e ficaram-se pelas largadas de Vila Franca, nas festas do Colete Encarnado, no início do mês. Nem as chocas chegaram a São Bento e os próprios campinos se quedaram pela lezíria, tisnando a pele trigueira sob este incerto sol de verão.

Afinal a peça, sob o anunciado título de “Moção de confiança”, nem sequer vendeu todos os bilhetes e o galinheiro apresentava largas zonas vazias, não se vendo sequer as claques de apoio e as suas bandeiras exibindo a dimensão, que não o conteúdo, das inscrições. O primeiro acto foi uma masturbação, sem convicção nem entusiasmo, a que se entregou um antigo aprendiz de cantor de ópera, ex-chefe de família não exemplar, desde sempre parasita político do orçamento, sem a mínima ideia do país e, benza-o Deus, sem a mais remota ideia para ele. Pelas reações, não terá havido orgasmos e os aplausos, ainda mesmo que simulados, não foram muito além disso.


O segundo acto acabou sendo um velório, sem velas acesas, sem incenso e sem abade, transbordando de defuntos em putrefação e de discursos vazios a cheirar a podre, anunciando a ressurreição e o paraíso para dois presumíveis anos de legislatura que ainda julgam pela frente. Nem eles próprios acreditaram nos sermões e os poucos aplausos perderam-se na certeza das férias que os portugueses, sistematicamente invocados abusivamente e em vão, não poderão gozar para recuperar energias e pensar um futuro menos negro.


No fim, como no casino e com as cartas viciadas, o resultado foi o que antecipadamente se conhecia. O vice Portas fez o derradeiro e irrevogável sermão. Uma senhora, nitidamente reformada por incapacidade, apresentou submissos cumprimentos ao praticante de canto e à sua quadrilha, alguns narizes à dimensão dos fenómenos do Entroncamento emergiram no galinheiro. Debandou-se em paz e tranquilidade, para as praias da linha e para a herdade da Comporta! A fingir de pobrezinhos como as debutantes da família Espírito Santo.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial