18 de fevereiro de 2014

Escrevo-te silêncio

Escrevo-te silêncio. A inquietude de uma folha vazia de ideias estende-se-me pela frente, só vazio, o céu solto de gaivotas, os ninhos das cegonhas nus no alto de antigas chaminés e no cimo das torres das igrejas. Nem restolho, nem pássaros, nem trindades. Nenhum violino que chore, nenhum saxofone que  arraste o som pelas pedras da calçada.

Uma inquietação, compulsiva e viva, um tumulto de saudades, dois rios caudalosos que nascem no fundo garço dos meus olhos. Um olhar sereno, uma angústia calma, a lentidão com que percorro cada pequeno detalhe do teu corpo, a esperança a soltar-se-te dos cabelos desalinhados ao sabor do vento norte, frio e persistente. A praia vazia de banhistas, a areia fina arrastada pelo mar alterado, espuma suja, casas inundadas, destroços navegando pelas ruas, tão longo é o inverno, véspera de primavera.

Dois dedos leves a afagar-te a fronte, desenhando-te carícias na face macia, pousando-te suavemente sobre o sorriso cúmplice e a humidade natural dos teus lábios finos. Os beijos que me encaminhas para a alma, com sabor a chocolate, estrada aberta, nem curvas nem portagens, o coração apenas apeadeiro. O calor morno do teu ombro chegando-me às narinas, a volúpia da fragrância fresca que se liberta do teu corpo que desvendo, viagem completa, caminho das especiarias, dois braços à volta da tua cintura fina.



A rota desenhada a traço fino no teu dorso, ponto a ponto, um dedo indicador definindo o rumo, como bússola apontando ao paraíso, cada beijo suave um passo mais para o destino, os braços trémulos num abraço forte apertando-te ao meu peito. Trópico de Câncer, as mãos imóveis sobre o encanto dos teus ombros, geografias, cruzeiro do sul. rosa dos ventos, astronomia, constelação de uma só estrela, estrela maior, primeira grandeza, sistema solar, centro do universo. 

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial