14 de março de 2015

Sexta feira treze

Pronto, aqui estou eu, atirado de borco para um canto esconso desta sexta feira treze, que meio mundo teme e outro meio simplesmente ignora. Não sonho superstições e aqui estou tal e qual como resultei dela e de muitos outros dias e circunstâncias. A desesperança não tem época certa nem obedece a calendários, mas são as pessoas que deixam o sol refugiar-se para lá da linha do horizonte e que ainda mais adensam o nevoeiro cerrado de alguns dias de inverno  que trazem um sol frio atrás.

Nunca se tem aquilo que se procura, a sucessão de dias é uma roleta sem controlo que por capricho pára quando quer e onde quer, ignorando toda a vida que há em volta. Não me lamento de estender uma mão e de não receber outra, os dedos ávidos de encontrarem os meus e de se entrelaçarem maduros de carinho e de ternura. Se assim aconteceu, assim  está certo e, recordando o slogan de O’Neill, há mar e mar, há ir e voltar. E se por um capricho de um lado e um equívoco de outro eu não voltei, as profundezas do oceano darão destino aos meus destroços, seja em que sexta feira for.

Não me fica nada a não ser a mágoa e a amargura em que se foi edificando o vazio dos meus dias. Correm-se sempre grandes riscos quando se acredita em contos de fadas, povoados de Cinderelas e sapatinhos de cristal. Mas também fica sempre, para além dos cacos do cristal, no fundo deste coração cansado, o poema de António Gedeão que Manuel Freire fez mais hino que canção. O sonho comanda a vida!


0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial