28 de fevereiro de 2015

Sem hemoptise nem tango argentino

Vi um sorriso breve a pintar-te a face e a emoldurar-te o olhar, e sobreveio-me a vontade espontânea de te acariciar os cabelos desalinhados e de te chegar ao coração, à descoberta de que ternuras lá poderias ter guardadas para os dias em que o verde da esperança se confunde com o amarelo das acácias e nos chega da curva onde se perde o horizonte e fevereiro vai morrendo no calendário.


Dar-te a mão, sentir o carinho na ponta dos teus dedos finos, um calor morno a saltar-nos dos olhos, um solo de saxofone a descer-nos pelas pernas, os sobreiros correndo à desfilada nas bermas da estrada, as coordenadas de um mar chão como destino. Um por do sol, incomparável e único, a desenhar-se na fímbria do mar, enfeitando a paisagem marítima e azul, sem ondas e sem barcos, só bancos plantados na praia de areias finas.

Mas sempre se sentiu uma brisa fria mais que fresca a limitar a distância até onde se estendia o meu olhar baço e a força do teu desejo mais inseguro do que certo. Trazendo as nuvens para mais perto, carregando-as de cinzento e chuva, as palavras sem sentido, o pensamento sem morada certa ou número de polícia. A brisa virou borrasca, a chuva tombou feita granizo, o por do sol afogou-se nas águas revoltas que se embrulhavam no limite do que eu não via. O verde fez-se folha caída do outono de frio e vento, a esperança morreu, vestida da lama viscosa de que se engalanou! Ao contrário do poema de Manuel Bandeira, nem se tocou nenhum tango argentino, não houve nem hemoptise!


0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial