6 de março de 2015

O verão na ponta dos teus dedos

Amanheceu um céu azul infinito, limpo de nuvens e de vento, caminho aberto para o paraíso que fica no aperto dos teus braços, bem para lá de onde gravitam as mais brilhantes estrelas. Um sol macio de ternura, ameno e doce, escorre-te lento pelos cabelos, pendura-te no olhar profundo e meigo um sorriso alvo de pureza, que os dicionários hão-de referir como sinónimo único de felicidade. E só será feliz quem puder ter esse teu sol nos cabelos e esse teu sorriso transbordando-te da alma.

É o tempo em que a primavera se anuncia, nas camélias dobradas que ainda florescem pelos jardins públicos e nos botões magníficos das magnólias que amanhã serão o deslumbramento da flor e, no dia a seguir, apenas pétalas caídas que nenhum aroma enfeitou e a que o piso irregular das calçadas roubou o derradeiro lampejo de nobreza, sangue azul ou título nobiliárquico, aristocracia de Paços reais, a resvalar pelas encostas e pelo sono das madrugadas.



Procuro o verão que se aproxima do teu corpo pequeno e frágil, a chegar-te temporão, o doce prazer da descoberta do caudal tranquilo de todos os rios que serenamente correm para o mar. Tenho-te na palma da mão, com todos os cuidados que requerem as peças do cristal mais puro da Boémia, há preciosidades que não pode sequer correr-se o risco de perder. Toco-te suavemente com a ponta insegura e trémula dos meus dedos e encontro o fogo ardente que crepita na tua mão segura e ágil que percorre o carreiro sempre novo para o monte. E que, naturalmente, chega ao cume e sente o prazer único da conquista e da vitória, como se cada vez fosse a primeira vez. Cada escalada é única e é primeira!

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial