22 de maio de 2017

Ama a tua língua

Ama a tua língua. Aprende-lhe com rigor cada palavra, soletra-lhe com ternura cada sílaba. Saboreia-lhe a frescura de cada som, inebria-te com o aroma suave de cada sinal. Constrói cada frase como se fosse uma parede. Elegante, sólida, indestrutível. Distribui a pontuação como se fossem sementes deitadas à terra fértil. Rega a seara, monda as ervas daninhas. Lê-lhe o crescimento em cada hora que passa, protege-a das intempéries. Abre a terra seca à chegada vespertina da água corrente. Apaixona-te. Deixa que a língua te incendeie o coração, que seja a tua pátria. Um rio em cada página de um dicionário, uma sombra de Verão em cada ditongo. Lê e escreve muito. Sempre. Muito e sempre simples. Como se colhesses cerejas numa fresca manhã de Junho. E as saboreasses como se os cachos fossem irresistíveis flores maduras. Estende-lhe a mão como se fosse a tua namorada, senta-te com ela à beira mar, aspira a maresia, segue o voo das gaivotas. Ama-a como se fosse uma mulher, a mulher da tua vida. A tua mãe, a tua companheira, a tua amante. O teu amor definitivo!


0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial