4 de abril de 2017

À maneira de Bertolt Brecht, com Salgueiro Maia morto há 25 anos

Salgueiro Maia era capitão num quartel de Santarém.
O quartel era todo dele?
Tinha sido ele a construí-lo?
Sozinho?
Não tinha nem superiores, nem subordinados?
Decidiu, isolado, marchar sobre Lisboa?
E foi ele que fez a chaimite que o levou,
Já com rodas e motor e tanque cheio de combustível, pronta a disparar?
E foi a corta-mato?
Ou fez durante a noite uma estrada directa ao Terreiro do Paço?
Vestiu uma farda que lhe fez a mãe, que era costureira?
Montou ele o cerco que obteve a rendição do quartel do Carmo?
E não quis nada em troca?
Que coisas ou cargos lhe ofereceram?
Deram-lhe honrarias e comendas?
Prestaram-lhe homenagens?
Deram-lhe senhas de refeição quando precisou de uma esmola para a sopa?
Já que lhe recusaram a pensão mínima,
Por nada ter feito que a merecesse!
Ou recusaram-lhe um subsídio para por meias solas nos sapatos?
E trataram-no como herói enquanto foi vivo?
Cuidaram-lhe da mulher e educaram-lhe os filhos?
Deram-lhe o nome a avenidas, fizeram desfiles militares?
Promoveram-no a sargento-ajudante?
E herói porquê? Só ele? E porque não ele?
Foi ele que conquistou Lisboa sozinho?
E que depois voltou para Santarém para limpar o quartel e arrumar a caserna?
Ou foi para agradecer, à míngua, os bons empregos que a liberdade deu aos outros?
Mandaram-no jogar à bola, deram-lhe o nome a um aeroporto?
Baptizaram um avião, fizeram-no padrinho de uma criança?
Morreu por vontade própria, deixou-se morrer, suicidou-se?
E hoje mostram a sua fotografia às crianças das escolas?
Ensinam-lhes o nome como se fosse a tabuada?
Plantam estátuas suas à sombra das figueiras?
E a vila de Castelo de Vide, vista lá do alto,
Continua ao sol, indiferente e branca, como o berço onde nasceu?
Com telhados vermelhos como cravos,
Espetados nos canos das espingardas?
Porque é que agora o celebram depois de morto?
Porque já não mete medo nem pode tirar cargos a ninguém?
Porque é inofensivo?
E acham que Brecht disse tudo o que pensava?
Ou ficou muito por dizer sobre um homem que não quis nada?



0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial