10 de março de 2017

O poema da Caixa Geral de Depósitos

Hoje, contra o meu gosto, a poesia é outra. Porque os prejuízos anunciados pela CGD não são um poema, são um crime. São 1.900.000.000, um bilião e novecentos milhões de euros, entre inverdades e imparidades. Comecemos por aqui, pelas palavras. Uma inverdade é uma mentira, ponto final. Imparidade é um palavrão criado apenas para evitar que o homem comum entenda o que está em causa. No essencial, é crédito mal parado, ou incobrável, atribuído ao longo dos anos, não se sabe a quem. Nem em que condições nem com que garantias. Crédito concedido de forma negligente, de forma dolosa e de forma criminosa. Na impossibilidade de o recuperar, decide-se anulá-lo e deitar as dívidas ao lixo. Se esses prejuízos não forem cobertos com dinheiro novo, a CGD vai à falência, situação em que, aliás, há anos se encontra toda a banca nacional. Este dinheiro sai do Estado e o Estado, directa ou indirectamente, somos todos nós. Apesar dos donos disto tudo que por lá andam.

Então é elementar saber que dinheiro se emprestou, a quem e em que condições. É preciso publicar a lista e esclarecer todas as dúvidas, saber quem são os vigaristas, agir criminalmente contra quem foi responsável. Qual sigilo bancário! Quem não tem rabos-de-palha, não tem nada a esconder. Por alguma razão o senhor Domingues não queria revelar o que iria ganhar nem o que possuía. E quem persiste em esconder as cuecas é muito provável que as tenha sujas!


0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial