5 de março de 2017

Estás tão perto que já me parece de noite

Estás tão perto que já me parece de noite. Posso ver-te nos olhos o brilho dos candeeiros que se acendem na rua. E os reflexos esguios que desenham na pequena enseada, onde as águas quietas se aconchegam ao silêncio da hora tardia. Há uma ameaça de chuva miúda, que promete descer pelo cinzento carregado das nuvens e pelas escadas da madrugada de domingo. Mas fica-me sempre, e só, a tranquilidade da tua silhueta projectada contra o meu peito. Pego-te nas mãos, e sinto mais do que toda a luz que emerge do espelho dos barcos, fundeados para o descanso do sono. Chega-me a energia que viaja na crista das ondas. E o deslumbramento que, de repente, explode na copa florida das magnólias, quando a ternura de um beijo se te adivinha no contorno fresco dos teus lábios.


0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial