25 de maio de 2018

Dia de África


Dia de África, hoje. Como se um dia chegasse para a conhecer, para a respeitar, para a entender. Como disse Albert Camus, um argelino de nascença, em África o mar e o sol são de graça. E é preciso pisar sua terra vermelha, sentir seus cheiros, saborear suas frutas, chapinhar suas águas da chuva, percorrer seus caminhos, saber suas distâncias, ouvir suas línguas, ver seus dias iguais, seus amanheceres, seus fins de tarde para saber isso.

África é sortilégio. Música, melodia, ritmo de nomes. Sombra de mulemba, peixe de rio, savana, anhara. Kameia, terras do fim do mundo, corrente do kubango a morrer no deserto, delta do okavango. Quimbele, songo, quitexe, caxito, cacuso, mussende, calulo, chinguar. Camacupa,  bailundo, caluquembe, menongue, mavinga, cuvelai, namacunde, benguela, malanje.


E ainda o vicanjo que eu lembro, no mato, com uma mulemba no meio do nome: Xamissassa. Xamissassa é um nome com todas as músicas, e todas as melodias e todos os ritmos. Com os mais velhos sentados na sombra dela, falando suas falas, rindo seus risos, dormindo seus sonos, sonhando seus sonhos. Porque Xamissassa sonha. Como África sonha. Todos os dias!

1 Comentários:

Às 2:17 da tarde , Anonymous Alfacinha disse...

É bem para falar possitivo sobre a África . Aquele Continente é mais que miséria são povos que vivem intensos .
Bjs

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial