1 de setembro de 2006

Pró Líbano!

A débil inteligência que dirige a defesa e a política externa do país desfez-se ontem em vénias, salamaleques e explicações idiotas sobre a participação portuguesa num contingente militar que as Nações Unidas vão enviar para o Líbano. E para tontos e desprevenidos repetiu, até à exaustão, que se optara por uma companhia de engenharia para ajudar na reconstrução (do Líbano) de que, entre outras vantagens e rebuçados, resultaria uma melhor qualidade de vida para as populações indígenas. Espantoso!

Por acaso saberá a mesma débil inteligência explicar, se não se tiver entretanto finado, como é que um país como este, que existe desde o século XII, que nunca conseguiu construir-se a si próprio, habitado por uma estranha gente que nunca se soube e nunca se deixou governar, poderá ajudar na reconstrução seja de quem for, seja onde for, seja quando for? Contribuindo para o melhoramento da qualidade de vida das populações indígenas? Que, coitadas, perdidas nos escombros da desconstrução, apenas reclamam um pão, um pouco de água e um canto para se acoitarem. Quanto a nós, o grandioso Portugal das descobertas e do Eça, a construção do Chico Buarque basta!

1 Comentários:

Às 5:59 da tarde , Blogger bettips disse...

Assobiar para o lado quando se dá a desconstrução (ou seja a explosão) e ir ajudar a reconstrução! (entretanto sempre se ganham uns dinheiritos e se apalpa o terreno...). Não sei porquê o que leio aqui sempre me dá vontade de comentar. Ou melhor, sei porquê: identificação pura e alternativa.

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial