13 de outubro de 2010

A crise

A crise, sempre a incontornável crise. Sobre a qual a gente comum, que anda pelas ruas, que trabalha, que alimenta as filas do desemprego, da assistência médica, do apoio escolar, pouco ou nada sabe. E sobre a qual ninguém nada lhe diz porque ela serve, às mil maravilhas, para justificar aquilo a que a incrível classe política chama "apertar o cinto". De facto é esta gente comum que, por imposição do poder político, paga "sem bufar" os desvarios, os desmandos, os desvios e os roubos de quem surge rico, sem causa, de um momento para o outro. Ou, pelo menos, vive como rico, à custa do rendimento de inserção, do subsídio de desemprego ou do salário mínimo. Como o senhor Manuel Damásio!

Mas também a classe política, afinal, se lamenta da perda de apoios indispensáveis à subsistência, como aquele patusco deputado que queria aberta a cantina da Assembleia da República à hora de jantar, para garantir que tinha onde e como ingerir, a preço módico, a malga de sopa que lhe confortasse o estômago para o descanso da noite e para um despertar tranquilo às onze e meia do dia seguinte.

E a mesma classe, composta essencialmente por reformados de múltiplos empregos, vê-se agora na necessidade de acumular pensões de reforma, de alguns milhares de euros cada uma, para prevenir a osteoporose e acautelar a formação dos netos em escolas privadas e dispendiosas, onde a qualidade não é garantidamente melhor do que no sector público. Custa vê-los reformados e a trabalhar para aconchegar o rendimento familiar. Desde o mais alto magistrado da nação ao obscuro advogado que representa a herdeira de uma gorda fortuna, fortuitamente assassinada em terras de Vera Cruz. Pelos vistos, depois de ter transferido para contas bancárias em seu nome, alguns milhões de euros - largas centenas de milhares de contos! - que lhe possibilitem ir comendo, de vez em quando, uma alheira de Mirandela com batatas fritas e ovo estrelado!

1 Comentários:

Às 6:18 da tarde , Blogger Meg disse...

Foi uma óptima surpresa esta passagem por aqui.
Poucos como tu conseguem chamar os bois pelos nomes.
Voltarei, sem dúvida.
Bem hajas, caríssimo Luís.

Um abraço

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial