28 de setembro de 2012

A ética


Há uns anos a esta parte a D. Teresa Guilherme, essa figura ímpar da cultura pátria e da casa dos segredos, inquirida sobre a ética, respondeu do alto prestígio do seu pedestal, combinando a erudição com a exuberância do vernáculo, mais ou menos o seguinte: quem tem ética está fodido! A afirmação terá feito corar de inveja o professor Eduardo Lourenço e mexido com os restos mortais de Agostinho da Silva. E adivinha-se que na Sé de Coimbra, D. Afonso Henriques terá ameaçado sair do túmulo, mesmo sem licença de exumação, para lhe declarar o seu apoio e expressar o seu reconhecimento por, passados tantos anos, alguém finalmente lhe ter feito justiça.

De facto tivesse ele, filho de conde e pretendente a rei, tido alguma ética em Arcos de Valdevez e ter-se-ia curvado perante a mãe, mostrado mais o cu e fodido a nacionalidade. Em vez disso levantou-lhe a mão, encerrou-a numa masmorra e foi-se por domínios serracenos abaixo, conquistando, subjugando, pilhando e expandindo a fé e o império que nascia. Alguém por ele, seguindo o axioma da D. Teresa Guilherme, o tentaria muito mais tarde. Mas, mesmo com tudo o que de mal lhes atribuem, nem os espanhóis Filipes o conseguiram em sessenta anos de persistentes tentativas.


E só, finalmente, nos dias que correm, os empresários e o senhor António Mexia, a tal de troica e os seus empréstimos concedidos a taxas de juro de agiota e ainda o governo com sede em Massamá e o senhor António Borges, se convertem aos incontornáveis princípios da ética. Antes deles, por experiência e aturado estudo, só o ministro Relvas descobrira a ética em África, pela mão da D. Isabel dos Santos, que vai comprando o país aos retalhos enquanto ele, lidos os manuais da D. Paula Bobone, lhe beija a mão, submisso, reverente e obrigado. E sonha com a alquimia que permite à senhora transformar em dinheiro toda a fome que mata crianças de Cabinda ao Cunene, e em merda toda a riqueza que jorra dos poços de petróleo do país, sejam eles “offshore” ou não.

Nesta linha evolutiva que nos há-de levar ao céu e de visita a Belém num qualquer dia 10 de junho, o país dispõe de um conselho nacional para as ciências da vida, com direito a CNECV como sigla e a Miguel Oliveira da Silva como presidente. E este, claro e eticamente, com direito a automóvel topo de gama, motorista fardado, ajudas de custo, cartão de crédito e subsídios de férias e Natal para poder ir à terra, algures numa praia do oriente, onde as águas sejam tépidas e as tartarugas para os passeios incluídas nos serviços, sem aumento de preço. E, com coragem e valentia, acaba finalmente decretado o racionamento ético de vários fármacos mais caros. Mas um racionamento implicíto, note-se bem, por palavras passadas de boca em boca às esquinas dos corredores e nos bares onde se saboreia a bica. O decreto virá a seguir, linear e transparente, explícito e sem subterfúgios: a favor do orçamento, mate-se, que o medicamento é caro e a doença é oncológica.

Mas, por favor, senhor ministro da saúde, com o sem simulação numa qualquer folha de Excel: tenha presente que este governo é um cancro!

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial