2 de dezembro de 2012

Domingo vazio


Pouco os ponteiros do relógio passaram além das 18 horas e as ruas da cidade emudeceram à luz mortiça da iluminação pública. O dia sucumbira pela madrugada, a um frio glaciar que desde sempre me entorpece os gestos e a memória e me enregela as mãos e os pensamentos. Ninguém, como eu, terá percorrido todos os mútiplos caminhos do infortúnio, sentido todas as cores cinzentas da infelicidade e da solidão.

Os meus dias deixaram de ter encruzilhadas, não há mais que decidir a direção ou o sentido da marcha. Nenhuma rota vai dar a nenhum destino, só há deserto em volta. Não cheguei a lado nenhum e toda a gente se aproveitou disso e alguma ainda se alimenta à custa dos destroços. O frio da madrugada fez-te amanhecer vestida de organdi azul, rasgado pelo ímpeto do vento que não houve, e já não tive olhos para reparar nisso. Nem sequer vontade que te ajudasse a passajar o corpo maduro de outonos.


Toda a gente com que me cruzo e que não conheço, porque eu não conheço ninguém, tem um conhecido, um amigo, um familiar que lhe fale do sistema solar e das fases da lua. Eu, se quiser saber a hora das marés, tenho que me sentar na areia da praia e esperar que a espuma das ondas me cubra os pés e me anuncie a hora da praia-mar. O frio que me enregela os pés no inverno não é diferente do que me tolhe a coluna no estio.

Lágrimas sentidas escorrem-me pelas faces, são rios sem oceanos que as acolham. Nunca vai sobrar uma pequena enseada calma e tranquila que as abrigue. Nunca vai sobrar uma luz frouxa que me ilumine nem um calor morno que me afague. Para mim só sobra o que sempre tem sobrado: a desesperança e o vazio em volta.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial