24 de janeiro de 2013

O ministro Gaspar foi ao mercado


O ministro Gaspar levantou-se ontem muito cedo, era ainda noite. Tomou banho, perfumou-se com lavanda da empresa Ach. Brito – para proteger a indústria nacional e equilibrar a balança comercial -, mudou de cuecas e envergou o seu fatinho domingueiro. Ao pescoço pôs uma gravata de seda pura, em segunda mão, cortesia de um pobre franciscano que tem uma pensão miserável de alguns 150.000 euros – será que dão para as despesas dele senhor Silva? – e que, sendo engenheiro por uma universidade séria, se viu na necessidade de ser banqueiro para não emigrar. Mesmo que o pudesse fazer a bordo do avião que mantem às suas ordens, com algum conforto e algum recato que lhe acautelasse a reputação e o regabofe a que se habituou.

Já com a alvorada a querer despontar a oriente e as luzes das ruas ainda acesas, Gaspar foi à missa, com meia dúzia de batedores a abrir-lhe caminho por entre a chuva persistente que caía e duas dúzias de seguranças a vigiarem os perigosos e ameaçadores notívagos caídos no espaço vazio dos portais, entre a falta de abrigo, a necessidade de uma refeição quente e as calorias de um pacote de litro de uma zurrapa qualquer, comprado nas lojas do Minipreço, para desequilíbrio da balança comercial e agravamento do défice.

Assistiu à missa, usou o terço que a madrinha lhe levou de Fátima, rezou a salvé rainha, bateu repetidamente com a mão no peito, ajoelhou-se – sim, ajoelhou-se! – e comungou como se fizesse a primeira comunhão. Ajoelhou-se, ele que só se ajoelha perante a poderosa Sra Merkel, omnipresente e omnisciente, e perante Deus nosso senhor que lá tenha em descanso o governo anterior e o persistente defunto de Santa Comba.

Já à luz do dia, encolheu-se no banco de trás do BMW para não o verem e julgarem que afinal também ele contribuía para o desequilíbrio da balança comercial e não se fazia deslocar numa qualquer motorizada fabricada algures na zona de Águeda, embora evitando o percurso que passasse em frente da casa de família do Sr Manuel Alegre, por acaso ausente para a conspiração e para a caça aos gambuzinos.


E foi ao mercado, coisa de que gostou muito, ele e a patroa! Onde todas as coisas estavam, por acaso, pela hora da morte. Ainda por cima com as batatas vindas da Galiza, as cebolas das Astúrias e os tomates das quintas do Astérix. E ele, ministro e devoto da Sra Merkel, a pregar os benefícios de consumir o que é nacional – como Santo António a pregar aos peixinhos – e a salientar a qualidade das cenouras de Riomaior e da louça das Caldas.

Teve de contentar-se a comprar pouca coisa, como qualquer sensata dona de casa, com o marido empregado a título precário – o privilegiado! – e a ganhar acima das possibilidades do país e do Dr Ricardo Salgado a fortuna de 485 euros mensais estabelecida por decreto a que, patrioticamente, descontam a contribuição para a segurança social e o custo da austeridade de que, por limite de idade, o Sr Américo Amorim esta isento.

Mesmo assim teve sorte o ministro Gaspar porque no fim o Sr Camilo Lourenço lhe levou as compras a casa. A troco de uma moeda de um euro e de uma gravata já enxovalhada com nódoas de sopa da pedra e de molho bechamel. Num intervalo das suas telenovelas televisivas!

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial