13 de abril de 2016

Muitos caminhos e nenhum destino

Muitos caminhos e nenhum destino, os teus passos lentos sob a folhagem, rompendo os dias a que já tarda a primavera. Um sorriso brando e tranquilo, como raios de sol pousando na serenidade da sombra, sem nuvens e sem vento. Um momento, como se não houvesse nem tempo nem instrumentos que o medissem, nem campainhas nem relógios, a mão que te estendo, os dedos que entrelaçamos, o tique taque com que sentimos bater o coração, o compasso adequado para que a melodia tenha a mesma imponência do voo sereno das cegonhas. Um extenso campo em baixo, exibindo o vermelho vivo e breve das papoilas, uma valsa vienense correndo em cascata, com a mesma frescura de um ribeiro que desce da montanha.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial