27 de abril de 2016

Vinte e dois mil dias

Vinte e dois mil dias são muito tempo, são muitos dias, mais do que todo o álbum “Long distance voyager” ou mesmo todas as canções dos Moody Blues, em todos os palcos do mundo por onde viajaram, durante anos e anos a fio. São campos de papoilas florescendo no verde que leva os terrenos férteis do forte de Peniche até à região deserta e cosmopolita das Berlengas, onde funciona o governo ideal de que falou Brecht. E que não muda, por mais que chova e os ministros caiam dos telhados, escorrendo pelas caleiras e perdendo-se nas sarjetas. Ainda assim, balançando na crista das ondas, o diminuto barco que te leva, o mar agitado, os teus cabelos longos desfraldados ao vento que vem de norte, reluzindo ao sol que espreita abaixo da linha da maré, centenas de golfinhos subindo pelo horizonte, as caudas desenhando um arco-íris perfeito, a física exacta da refracção total.


Um poema ao borralho, numa noite de abril que ainda não tem espaço para as cerejas, enquanto a neve ameaça acima de uma cota imaginária de novecentos metros, abaixo da qual os pinheiros mantêm o verde da caruma e os pássaros cheiram a primavera, onde escolhem os sítios de refúgio para esconder os ninhos e chocar os ovos. Ao serão, o fumo da fogueira que se entranha no fumeiro, a gordura caindo gota a gota, alimentando as chamas, escapando-se pela chaminé, uma nuvem branca espalhando-se na noite escura. Na obscuridade, o frio irrequieto dos teus pés chegando-se à lareira, o segredo das tuas pernas prometendo todo o calor das palavras que sussurras, os braços que estendes por cima da cabeça, um brilho de desejo e sono caindo-te do olhar e trazendo-te aos lábios sequiosos a cor explosiva do amanhecer. 

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial