24 de agosto de 2016

A melancolia fresca de uma tarde de Agosto

A melancolia fresca de uma tarde de Agosto, a areia nua estendendo-se num deserto macio até onde vêm morrer as ondas estreitas de noroeste. Um nevoeiro tardio subindo pelo rochedo e acolhendo o voo ruidoso das gaivotas, vestindo de crepes a capela com uma cruz altiva erguendo-se-lhe acima da cabeça. Como se a noiva, quase solteirona triste, esperasse pelo beijo breve dos sobrinhos, o vestido comprido varrendo o chão e escondendo-lhe a estatura curta, um ramo de flores levado de braçado, a caminho do altar e do sacramento. Para acabar a ser feliz para sempre, como o oceano de um azul imenso e largo.


Para além do nevoeiro denso, a persistência salgada do mar, arredondando as arestas da pedra glaciar. E ainda o silêncio oculto de mulheres jovens, com saias acima do joelho, os seios erectos e maternais espreitando pelos decotes generosos das blusas de chita leve. Encostadas a velhos cascos de barcos abandonados na praia, com as quilhas perdidas durante a faina, nas vagas do mar alto. Já só servindo para a repouso de voos prolongados e para dar um eco cavado ao som bruto das tempestades que chegam de longe. Como se fossem viúvas prematuras de pescadores que lançassem as redes à procura de peixe e de pão.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial