16 de agosto de 2016

O trigo vai crescer para cima

Em mil novecentos e cinquenta e sete, nas margens do antigo e famoso rio Tibre, os mais altos responsáveis de uma mão cheia de países, sentaram-se à mesma mesa, posta para o almoço com talheres de prata e copos de cristal. E decidiram solenemente, batendo com a mão convicta no peito descaído, como se estivessem na basílica de São Pedro, desmentir as teorias verdes e absurdas de Bertolt Brecht. Com a maior e celebrada das imaginações e na mais elegante e bela das caligrafias, chamaram ao farto repasto “Tratado de Roma”, instituíram comunidades, debruçaram-se longamente sobre a excelência do menu e decretaram, com as faces carregadas e o ar circunspecto e responsável que, doravante, em todas as searas o trigo cresceria para cima. Posto o que, decididos e ágeis, ensaiaram a pirueta, fizeram o pino e, de cabeça para baixo, assinaram os tratados.



O futuro foi de mulheres engravidando sob o olhar competente e virgem do clero e dos ministros, com uma só comunidade unindo-se à beira Tejo e expandindo-se para além das margens do Danúbio, ao som azul e rosa das valsas de Strauss. Cresceu para além de todos os dedos que enfeitam o grotesco corpo humano, sempre sujeita à mais do que igual e inteligente supervisão das ordens de Berlim. Novas verdades se escreveram nas paredes e outras certezas despontaram no horizonte, do mesmo lado de que nasce o sol. Inventando os mercados para descobrir o sucesso e aumentar os lucros da alta finança, saber que é preciso mais esforço para menor cansaço, menor salário para melhor vida, menos lugares para mais emprego e nenhum desesperado presente para toda a desesperada falta de esperança no futuro. E feita a cambalhota, assim vamos: quanto mais se escavam as covas para enterrar os mortos, mais os buracos crescem para cima e mais depressa se sobe para o paraíso.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial