10 de agosto de 2016

Subiu o sol pelo calendário

Subiu o sol pelo calendário, muito acima do equador, cumprindo a agenda de um ano bissexto, até esbarrar com o trópico de câncer, um paralelo geograficamente perdido nas páginas ardentes de um romance de Henry Miller. Marcou o solstício, despiu-se dos últimos agasalhos que lhe tolhiam os movimentos, pendurou o verão num cabide preso ao branco caiado de uma parede e deixou que as flores virassem frutos e amadurecessem. Sorriu aos oceanos, aquietou calemas, espalhou pela areia das praias um vento fraco e fresco, trouxe o abandonado verde das algas até à espuma onde morrem as ondas, à falta de forças para chegar mais longe e mais além, e partiu o horizonte ao meio como se fosse uma laranja acabada de colher.


Aqueceu, fez subir os índices nos termómetros que noutros tempos eram de mercúrio, rebentou o espaço limitado onde o aprisionavam, ardeu, espalhou-se até onde falta o horizonte que desce das nuvens, subiu sôfrego e faminto por todas as encostas, ocupou o cimo de montes e colinas, consumiu tudo quanto se lhe atravessou no caminho, fosse ou não resistência que se opusesse ao seu domínio. Reduziu a nada todas as vontades que apenas se unem nos momentos de tragédia, deixou crianças sem o peito farto das mães, cobriu com espirais de fumo denso e cheiro a desolação, tudo quanto nos cabia no olhar vasto. Impotentes e inúteis, homens sábios, importantes e circunspectos, sentaram-se à mesma mesa, discutindo o sexo dos anjos e aguardando pela ementa.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial