2 de novembro de 2016

Pergunto-te

Pergunto-te, sendo a criança pequena que a vida me impôs que eu ficasse: gostas de mim? E chega-me a resposta, quase silêncio, com a tua voz macia de seda natural e o perfume acolhedor dos braços abertos, separados pela distância a que fica a respiração entre dois corpos. Os pés descalços sobre um chão que voa e que nos revela os segredos com que os poetas tecem os poemas de amor, bordados ponto a ponto. Como se cada um fosse apenas o calcário esculpido de dois túmulos na nave do mosteiro. E Pedro e Inês repousassem, olhando-se de frente, a igreja vazia de gente para a missa de domingo.



Não sobrasse existência nem memória de nenhum palácio ou de nenhuma quinta, nem de caminhos que lá levassem. Apenas um regato correndo à sombra, sobre pedras soltas, num qualquer ponto remoto da geografia física das palavras, onde se reflecte o firmamento. Sem tempo nem relógios, todas as horas expostas ao sol, com os troncos exóticos dos bambus rompendo por entre as copas centenárias dos pinheiros. O mar ainda distante, esperando por caravelas e viagens, para as descobertas. O leme pronto nos cabelos soltos da bela Inês. Gostas de mim?

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial